Técnicas saudáveis: Por que temos perdido?

   Os europeus e os alemães tem técnicas construtivas interessantes na questão da sustentabilidade de suas edificações. Eles trouxeram para o Brasil algumas dessas práticas que estão sendo deixadas de lado. O porquê? Acredito que economia de custos.
    No século IXX era comum a construção de casas com porões e áticos, janelas com ventarolas, fundações bem protegidas etc. 





Os áticos (sótãos) minimizavam as trocas de calor entre telhado e a estrutura da cobertura. 







Os porões cuidavam das trocas de calor entre o solo e o assoalho.











* Estas edificações possuem ambas técnicas:












    Claro que hoje em dia talvez as pessoas não queiram mais construir casas no estilo alemão ou europeu, haja visto as tendências modernas no estilo das construções.
   Mas é possível resgatar um pouco desse conhecimento e aplicar nos projetos modernos. A boa arquitetura é aquela capaz de aliar o que é belo, o funcional, o sustentável e o baixo custo.
     A falta da utilização dessas técnicas construtivas citadas acima, aliadas à falta de mão de obra qualificada acabam gerando patologias como umidade e fissuras, ou mesmo falta de conforto devido à inexistência de ventilação e iluminação natural.
     Vale a pena ousar e tentar resgatar tais técnicas.



1 comentários:

Rodrigo Ribeiro disse...

Na verdade o uso de sótão dava-se pela necessidade de mais espaço interno e os altos custos de construir áreas maiores, tal qual acontece em Curitiba nos últimos 20 anos, que quase todos os sobrados, e algumas casas usam o sótão. Claro que a questão térmica, para os pavimentos térreo e superior é beneficiada, mas tem que se ter um bom tratamento térmico para tornar agradável o sótão. Eu vim para Joinville a pouco tempo e notei que é raríssimo o uso de sótão aqui. Os terrenos mais baratos e os costumes da população ainda não pedem a volta do sótão, mas pode acontecer no futuro. Eu já pensei em desenvolver um sistema de ventilação pelo telhado, tirando partido do sótão.

Postar um comentário