Ralos

  Uma pequena palavra, tão simples quando dita, tão barata quando comprada, tão simples na sua instalação, mas que tem valor e utilidade incalculável.
  Eu vivo diariamente o problema de uma sacada gigante sem ralo. São 10 metros de sacada, bastante sujeira, bastante água de chuva e apenas dois “caninhos” enjambrados que maltratam a vida do morador, e principalmente de quem limpa.
  Para o ralo são direcionadas as águas provenientes da chuva, da lavação do piso, no banheiro e principalmente no box do banheiro. Vale lembrar que existem dois tipos de ralo: o “ralo seco” e o “ralo sifonado”.
1º Ralo seco – é usado em pisos diversos, como em sacadas, garagens, varandas, onde não há ligação direta com a tubulação que vem de pias ou banheiros. Porque? Simples: O ralo seco não tem o famoso “fecho hídrico” que é a retenção de uma pequena quantidade de água no fundo do ralo que impede a passagem de odores (mau cheiro proveniente da rede de esgoto do imóvel). O ralo seco pode ser instalado em sacadas, varandas e garagens porque é ligado diretamente na rede de água pluvial (água da chuva), ou direcionadas diretamente para a rede pública de coleta (aquela que passa na rua). Veja na figura abaixo o exemplo:
Ralo seco vista

Ralo seco corte

2º Ralo sifonado – é usado em banheiros, box, cozinhas, ou qualquer outro lugar que exista a ligação direta com uma tubulação de esgoto. Isso porque o ralo sifonado exerce a função de “sifão” ou seja, possui o “fecho hídrico” e impede que os odores provenientes do sistema de esgoto voltem pela tubulação e invadam o ambiente. E sinceramente, não existe nada mais desagradável que estar em um ambiente tomado por mau cheiro de esgoto. Veja na figura abaixo o exemplo:

Ralo sifonado vista
                                                           
Caixa sifonada corte

     O fecho hídrico que falei acima é uma lâmina de água que devido a curva projetada na peça não escorre totalmente, ou seja, essa água impede com garantia de 100% que mau cheiro e maus odores não voltem e invadam o ambiente. Veja na figura abaixo o exemplo:
Fecho hídrico

     Eu considero indispensável que o projetista arquitetônico informe em projeto os locais onde devem haver ralos. Pois devido aos níveis e ou detalhes arquitetônicos ele saberá se ficará ou não água acumulada em determinados lugares. 
    Imagine um prédio de 12 andares sem ralo na sacada (coisa que não é difícil de acontecer). O morador do último andar resolve lavar sua sacada. A água é direcionada através daqueles caninhos improvisados e vem caindo molhando todos os andares abaixo. Respinga paredes, cai na sacada abaixo, molha transeuntes etc... é um caos. Como falei no início desta postagem é muito barato e fácil instalar esses ralos. 
  O projetista informa no projeto onde deve haver ralo, e o engenheiro que for fazer os projetos complementares (de água e esgoto) decide e especifica se usa o “ralo seco” ou “ralo sifonado”.
Simples assim!
    O que não vale é deixar os moradores ou usuários reclamando pelo resto da vida e dizendo “quem foi que projetou isto aqui?”
Abraços..

5 comentários:

Edson disse...

Gostei das informações, bem objetivas.
Édson

Arq. Nilza Colombo disse...

muito bom!

Leticia disse...

As informações estão muito boas e expostas de maneira clara e didática. Porém, a foto não e' de um ralo sifonado, mas de uma caixa sifonada. De uma olhada no site da Tigre e verá a diferença.

Rafael Zimmermann disse...

Realmente Letícia, havia um erro de digitação. Obrigado por contribuir.

Ana Júlia Maciel Marinho Fernandes disse...

Muito bom..Me ajudou bastante, obrigada!

Postar um comentário